Conhecendo o inimigo como encarar FCC e Cebraspe

Se você sonha em ingressar no serviço público, em algum momento da trajetória deverá encarar as provas da Fundação Carlos Chagas (FCC) e do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), o antigo Cespe/UnB. Duas das maiores bancas avaliadoras do país, elas são responsáveis por certames importantes como as seleções dos tribunais, no caso da FCC; e do Ministério Público da União (MPU), da Advocacia Geral da União (AGU) e da Polícia Federal, no caso do Cebraspe.

Para além do conteúdo programático, durante sua preparação para concurso, é imprescindível se familiarizar com o estilo da banca, evitando surpresas na hora H. E Cebraspe e FCC não poderiam ser mais diferentes. Confira a seguir mais detalhes sobre cada avaliadora para tornar seus estudos mais eficientes:

Fundação Carlos Chagas

A FCC é pejorativamente conhecida por Fundação Copia e Cola, por cobrar em boa parte das avaliações a letra da lei. Nos últimos anos, a banca tem até exigido dos candidatos mais conhecimentos de jurisprudência e capacidade de interpretação de casos práticos, mas a grande marca da avaliadora ainda é mesmo a literalidade.

O modelo de prova da Carlos Chagas segue o padrão da maioria das avaliadoras: questões de múltipla escolha, com cinco alternativas. Em geral, a FCC faz uma boa distribuição dos conteúdos previstos pelo edital ao longo da prova, então é recomendado não negligenciar nenhum ponto do documento. Ela também é famosa por repetir o mesmo tipo de pergunta seleção após seleção, por isso resolver provas de concursos anteriores é uma importante arma para encarar essa banca.

Antigamente, as avaliações da FCC tinham nível de dificuldade mediano e notas de corte altas, mas isso vem mudando com o tempo. As questões da banca têm envolvido mais raciocínio e entendimento do contexto, exigindo uma melhor preparação dos candidatos, assim como mais leitura, devido aos enunciados maiores. Com isso, as provas estão ficando mais desgastantes e gerir bem o tempo de resposta é agora um desafio para os concurseiros.

Ainda que a avaliação não envolva grande nível de complexidade, ela requer extrema atenção do candidato aos enunciados. Isso porque são comuns questões com o comando “marque a alternativa INCORRETA”, uma armadilha para quem estiver cansado ou desatento.

Cebraspe

O antigo Cespe/UnB é o terror de muitos concurseiros. A banca tem um método próprio de avaliação e apresenta questões no estilo certo e errado, geralmente com a regra de “uma errada anula uma certa”. Além disso, o Cebraspe é conhecido por aplicar provas mais complexas, que exigem muita interpretação, bem como conhecimento de jurisprudência e doutrina no caso das matérias de Direito.

As provas normalmente apresentam 120 questões, mas a banca não costuma definir em edital quantas serão as assertivas de cada disciplina. Assim, o candidato só sabe ao certo a importância de cada matéria no dia do concurso, o que dificulta um pouco a preparação.

O candidato que vai encarar o Cebraspe precisa ter atenção em dobro, uma vez que o avaliador distribui várias cascas de banana ao longo da prova. Não é raro ver enunciados bem fundamentados, aparentemente corretos, que se tornam errados por conta de apenas uma palavra.

Além disso, nas seleções do Cebraspe, o “chute” é um instrumento que pode custar caro, já que os erros anulam os acertos. Por isso, o indicado é responder primeiro todas as questões que o candidato tem certeza e depois avaliar aquelas que geram dúvidas e as que são uma incógnita completa, para então definir se e quantas serão deixadas em branco.

Os coaches recomendam que, em provas de 120 questões, o concurseiro não deixe mais de 10 em branco, ou será muito difícil alcançar uma boa pontuação. Se for necessário chutar, é interessante que o candidato veja o quantitativo de respostas marcadas como C e E, pois historicamente os gabaritos do Cebraspe apresentam um equilíbrio – 50% questões erradas e 50% certas.

Por tudo isso, as notas de corte nos concursos organizados pelo Cebraspe não são das mais altas. Os primeiros colocados costumam conquistar algo em torno de 80% dos pontos em jogo. Gabaritar provas do Cebraspe é quase missão impossível.

Independentemente se a banca organizadora é FCC, Cebraspe ou qualquer outra, é muito importante que o candidato analise e responda provas anteriores para ganhar familiaridade com a avaliadora, além, claro, de a prática ajudar a fixar os conteúdos lidos. Tendo isso em mente, a Trilha do concurso prevê nos planos de estudos dos seus alunos momentos específicos para a resolução de exercícios.

Ainda não conhece o a consultoria do Marlom Andrade na Trilha do concurso? Clique aqui e saiba mais.

Conhecendo o inimigo como encarar FCC e Cebraspe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo
Trilha do Concurso